Autora: Carol F. | Beta: Babi S.

Capítulos:
| 01 |

Capítulo 1

Londres, Inglaterra

andava apressada pelos corredores do King Edward VII Hospital, estava indignada com a mensagem que recebera no final de semana de Luka Modrić, volante do Real Madrid e um de seus melhores amigos.
Sua pequena mala de rodinhas parecia voar, tamanha era a pressa que andava em direção ao "Centro Ortopédico de Excelência". Ao chegar na área de espera do local, avistou Debbie, mãe de uma das poucas pessoas que a fariam largar o que quer que estivesse fazendo, para entrar em um avião seja lá para onde fosse, em menos de 24 horas: Gareth Bale.
!!! – Debbie se levantou animada ao avistar a mulher. – Que bom que você está aqui, fico tão mais tranquila em saber que teremos alguém de confiança lá dentro.
– Eu não deixaria de estar aqui por nada nesse mundo, mesmo quando aquele desnaturado não teve a capacidade de sequer me avisar, acredita?
– Ah querida, nós sabemos como você é ocupada com seu trabalho, aposto que ele não quis te incomodar.
– Me ofende ouvir esse tipo de coisa. E aí, que quarto o bonitão está? Espero que esteja pronto para meu puxão de orelha.
A mais velha deu risada da forma de falar de , já estava acostumada com o jeito dela de ser, sempre direta, mas sabia do carinho enorme que ela tinha por seu filho.
– Eu sei que você está preocupada demais para estar realmente brava comigo – o galês disse, sorrindo assim que viu a careta que a amiga lhe fez, apenas virou a palma da mão em um convite mudo para ela se aproximar.
– Odeio como você me conhece, mas preocupada não resume o que sinto no momento – ela segurou sua mão antes de o abraçar com força, da melhor forma que conseguiu. – Nunca mais me deixe de fora de qualquer coisa importante que aconteça em sua vida, ok?
– Não queria que você largasse tudo para vir até aqui, você ainda está com o Schumacher?
– Sim e não, você sabe que era uma oportunidade que eu não poderia deixar passar, tanto financeiramente quanto profissionalmente, não posso falar nada por conta do meu contrato de confidencialidade, mas, infelizmente, não há nada que eu possa fazer por ele. Mas por você tem.
Gareth observou sua amiga levantar o lençol e tocar com delicadeza e cuidado o seu tornozelo. Conhecera através de Modrić, em sua época de Tottenham Hotspur, ela era um dos motivos pelo qual o amigo tinha atraído a atenção do Real Madrid em 2012.
Chamá-la de fisioterapeuta era quase um insulto, a mulher à sua frente era a pessoa mais inteligente que havia conhecido em toda sua vida, tinha duas graduações, dois mestrados e, da última vez que conversaram a fundo, estava na fase final de seu Doutorado em Ciência do Esporte, Exercício e Reabilitação. Se havia duas pessoas a quem ele confiava plenamente seu instrumento de trabalho, essas pessoas eram Jaime Benito e Loew.
, como era mais conhecida por todos, não era a pessoa mais entendida de futebol do mundo, mas sabia ler o corpo de um atleta como poucos. Era apaixonada em tentar decifrar como um ser humano conseguia se transformar em uma máquina imbatível. Dedicou os últimos 11 anos de sua vida entre estudos e pesquisas e, finalmente, tinha conseguido fazer sair do papel a versão final do programa que vinha trabalhando em cima há 7 longos anos.
Apesar da transferência de Luka para o Real Madrid , nunca deixou de tentar acompanhar a carreira de um dos poucos jogadores da primeira divisão que acreditaram nela desde o início. Isso fez com que nascesse uma grande amizade entre ela e Vanja, esposa do volante. Tanto que tinha o privilégio de ocupar o melhor cargo do mundo, ser madrinha de Ema, filha do casal.
Viciada em trabalho, a única forma que conseguia se desligar de suas pesquisas por um curto espaço de tempo era quando ia visitar a afilhada e aproveitar um pouco do sol da Espanha.
Apesar de ter tido algum contato com Gareth na época que trabalhava com Modrić, nunca chegou a trabalhar com ele de fato, apenas fazia algumas massagens aqui e ali quando ele queria um cuidado extra. Só fora conhecê-lo quando já estava em Madrid e Ema ainda era um bebê. Para deixar o casal sem preocupações, tomou para si a responsabilidade de mostrar Madrid ao galês em sua primeira semana na cidade.
O laço que formaram era tão grande que, desde então, trocavam mensagens para se manterem atualizados da vida um do outro e saíam juntos sempre que ela estava na cidade. Certo dia, a levou para conhecer a Rekovery Clinic, de Jaime Benito, seu fisioterapeuta, e, assim que os dois se cumprimentaram, se arrependeu na hora. Passara as duas horas seguintes ouvindo os dois conversarem sobre lesões, tratamentos e biomecânica.
e Jaime passaram a manter contato e trocar ideias sobre o programa de treinamento e recuperação do jogador. Ela sabia que ele estava em excelente mãos, e, sempre que estava em Madrid, cuidavam dele a quatro mãos.
– O Dr. Calder é excelente, ele me ajudou na pesquisa que fiz para uma de minhas teses, e ele já autorizou minha entrada no centro cirúrgico, tenho certeza de que dará tudo certo, e manterei seus pais e o Jaime informados. Não se preocupe, você sabe que nós dois sempre cuidaremos do que for melhor para você.
– Obrigado, me desculpe por não ter te avisado antes, eu não queria dar trabalho.
– Você sabe que trabalho é a coisa que eu mais amo ter e, se envolve você, melhor ainda. – ela sorriu, lhe dando um beijo na testa. – Eu vou me preparar para entrar no teatro, te vejo quando você acordar.

– Ei – segurou na mão de Bale – Está tudo bem, sou eu.
– Eu... como foi? – perguntou, ainda sob o efeito da anestesia.
– Foi tudo perfeito B., não poderia ter sido melhor. Ainda estamos na recuperação, os médicos já falaram com seus pais, eu vou ficar aqui com você até a anestesia passar, tá?
– Eu estou tremendo, isso é normal?
– É sim, durante a cirurgia seu corpo baixou a temperatura e essa "tremedeira" é importante para trazer a temperatura para o normal de novo. É incômodo, mas deve passar nos próximos trinta minutos.
– Pode me distrair?
encarou o amigo com um sorriso bobo no rosto, um homem daquele tamanho precisando de conforto. Desde seu término com Emma o sentia mais carente do que o normal. Ocupada com a defesa de sua tese no Doutorado, deixou de ir a Madrid com a mesma frequência de antes, e sentia-se em dívida com o amigo.
– Você sabe que temos conceitos diferentes para distração, mas, finalmente defendi minha tese, foi com certeza a parte mais difícil de todos os meus anos de estudos, mas passei, e não pretendo estudar nunca mais. Hoje, durante sua operação, tive uma ideia...
– Qual?
– Eu estou semidesempregada, o trabalho com o Schumacher foi bom porque eu realmente precisava de algo fácil, que me pagasse bem e permitisse que eu tivesse tempo suficiente para estudar e escrever a tese. O Jaime me disse que ele está indo pro Japão com o time e, pelo que contei pra ele sobre a sua cirurgia, estamos bastante otimistas. Pensei se você não gostaria de me ter como sua fisio até a volta dele?
– Você está falando sério?
– Sim, eles querem renovar meu contrato por mais 6 meses, mas eu não me importaria em passar as últimas semanas do ano em Madrid com a Ema e com você.
– Mil vezes sim. Eu tenho dinheiro suficiente para te pagar, Doutora? – seu sorriso enviesado e cheio de ironia fez com que lhe desse um tapa na testa.
– Ei, acabei de ser operado, estou tremendo aqui, e você já vem com agressão física?
– Aposto que um mês do meu salário equivale a um dia do seu – ela disse lhe dando um beijo na mão, como pedido de paz. – Mas eu não vou te cobrar, só quero te ajudar. Quer um pouco de água?
– Por favor – ele a observou ir falar com a enfermeira.
Gareth sempre quis ter como sua fisioterapeuta. Viu, dia após dia, Luka ficar cada vez melhor em campo e, quando perguntou ao amigo o que ele vinha tomando, conheceu .
Ela estava no começo de um projeto e Luka era um de cinco jogadores que ela usava como “cobaia”. O fim de seu mestrado significava que o projeto estava finalmente pronto e ele faria de tudo para, quando finalmente estivesse recuperado de sua lesão, contratá-la para trabalhar com ele.
– Fica lá em casa então, e não vamos discutir porque você sabe que estou certo, sei que você ama a Ema e o Ivano, mas ama silêncio ainda mais.
– Tudo bem, faz mais sentido mesmo, mas não vou atrapalhar sua solteirice?
– Pra isso que inventaram os headphones, sabia? – o jogador deu uma risada extremamente fofa ao ver a cara de nojo da amiga. – Você me conhece.
– Verdade, esqueci que você é um unicórnio.
– Unicórnio, ?
– Sim, homens como você não existem, amigo, romântico, carinhoso, leal e milionário, ainda por cima. Por que não me aparece alguém assim?
– Obrigado pela parte que me toca.
– Não esquece que quando te conheci você parecia um pau de vira tripa, só ficou bonito e gostoso agora que tá no Real Madrid, se eu fosse a Emma pediria reembolso, isso sim. Mas falando sério, tenho certeza de que logo logo aparece alguém pra te fazer feliz de novo e... AH MEU DEUS!
exclamou tão alto que as pessoas à sua volta imediatamente se viraram para os dois, fazendo com que Gareth quisesse se enfiar embaixo do lençol. Não devia ser coincidência que Lena fosse tão parecida com sua amiga no quesito fazê-lo passar vergonha, sabia exatamente o que falar para deixá-lo vermelho e usava disso como uma arma de alta destruição, Alaina estava indo pelo mesmo caminho. Já podia até imaginar o que iria acontecer quando as duas se conhecessem. E, por mais contraditório que fosse, ele não via a hora.
– Desculpa – pediu num sussurro e se virou para ele mais uma vez. – Já apareceu alguém, né? Me conta, quem anda tirando o sono do meu Balezinho? – Gareth sabia que não tinha escapatória, e até achou bom ter uma opinião feminina.
– A nova assistente do Zidane, sobrinha dele na verdade...
– Ah, eu vi. Alaina o nome dela, né? A Vanja me mandou uma foto, achei bem bonita, tava na hora de darem chance para nós, mulheres, no futebol masculino mesmo. Ela deve ser boa, o tio não ia arriscar expô-la dessa forma para vê-la falhar.
– É, eu treino às vezes com ela, ela sabe o que está fazendo, era técnica do feminino do Paris Saint-Germain.
– Uau, fico tão feliz quando ouço essas coisas, mas pegar a sobrinha do técnico e colega de trabalho não é muito profissional, né?
– Não, mas eu não sei o que fazer pra tirar ela da minha cabeça, . Nunca me senti tão atraído por uma mulher como me sinto por ela, tentei evitar ao máximo, ela até achou que eu não gostasse dela, nem com a Emma foi assim.
– Ela tá interessada pelo menos?
– Aí que tá, eu às vezes acho que sim, mas ela veio com todo um discurso em como quer ser respeitada na profissão e pelos fãs do Real, e que prefere não misturar as coisas se envolvendo com um jogador, mas já ficou com o Özil e o Trapp.
– Caramba, respeito. O Kevin é praticamente a reencarnação de um Deus grego.
, a sua função é me ajudar, não apontar o quão maravilhoso o outro cara é.
– Gareth, você também é, já se olhou no espelho? A cor dos seus olhos e essa sua risadinha fofa conquistam qualquer uma.
– Ela me beijou – Bale soltou e levou seu indicador aos lábios antes que sua amiga desse um berro de novo e fossem expulsos do local.
– Como assim?! – sua voz saiu um oitavo acima do normal.
– Eu chamei ela pra fazer alguma coisa fora do CT outro dia, só nós dois – preferiu contar a história do começo, para que pudesse entender tudo o que vinha se passando em sua cabeça desde que viu Alaina pela primeira vez.
– O quê? Sexo? – ela o interrompeu.
– Lógico que não, chamei ela pra andar de bicicleta.
– Ah, pelo amor de Deus, cai na realidade – fez gestos exagerados, atraindo novamente atenção para os dois. – Andar de bicicleta? Pior que você tá falando sério, né?
Antes que pudesse falar mais alguma coisa, os dois perceberam a chegada dos três médicos responsáveis pela cirurgia de Gareth, que agradeceu aos céus, pois não estava com a menor vontade de ouvir um sermão sobre a sua falta de atitude justo agora, mas pelo menos a conversa tinha surtido efeito, a tremedeira tinha passado e ele mal havia percebido.
Jesus Olmo, o médico responsável pelo Real Madrid, começou a explicar como tinha sido a cirurgia para o jogador e se afastou, não era médica e não teria nada de bom a acrescentar. Decidiu ligar para Jaime, enquanto caminhava de volta à sala de espera do local.
amava a forma de ser de Gareth, um homem perfeito demais para existir, mas que realmente existia. O amava como amava seus irmãos e saber que ele já estava interessado em alguém, menos de um ano do término com Emma, a fazia se sentir bem melhor por nunca ter achado que o casal tinha muito futuro. Mas não podia deixar de rir sozinha ao pensar em como o amigo era sem jeito com mulheres. Emma tinha sido sua única namorada e era completamente compreensível sua insegurança e até inocência em como lidar com alguém que o atraísse dessa forma. Sempre tentou o incentivar a aproveitar o status para sair com mulheres que o atraíssem, apenas pela experiência de ficar com alguém por ficar, mas ele nunca foi adiante com nenhum plano. Não que não o entendesse, ela mesmo não perdia tempo com casinhos passageiros, esteve ocupada demais para se prender a qualquer um, e estava muito mais interessada em uma mente sexy do que um corpo malhado. Talvez fosse esse um dos motivos pelo qual se entenderam desde o início.
Tarde da noite, quando o jogador já estava dormindo, chegou ao hospital para que os pais de Gareth pudessem descansar antes da longa jornada de volta ao País de Gales na manhã seguinte. Acostumada a observar seus pacientes, decidiu ficar acordada para caso ele precisasse de algo durante a noite, e aproveitou o silêncio para avisar sua mãe e irmãos de seus próximos passos e também Luka e Vanja. Sabia como todos a apoiariam em sua decisão, afinal, já estavam acostumados com o jeito de ser, havia muito pouco que não fazia pelos amigos e pessoas que amava.

Gareth já tinha ido ao banheiro, tomado metade do seu café da manhã e parecia ter morrido na cama ao seu lado.
– Como você ronca! – foi a primeira coisa que ouviu ao acordar.
– Você tá falando sério? – perguntou sincera ao se espreguiçar.
– Não – Bale abriu um sorriso ao vê-la finalmente em pé, estava entediado.
– Tá com alguma dor? Fome? Quer ir ao banheiro?
– Já fiz tudo isso e tomei os remédios, até falei com meus pais, eles vão chegar daqui a pouco, você dormiu bem?
– Acho que sim, tentei ficar acordada caso você precisasse, mas pelo visto não deu certo.
– Quais seus planos daqui até o dia que formos pra Madrid?
– Sobre esses planos temos quase duas semanas pela frente, podemos continuar nossa conversa de ontem?
– Vai tirar sarro da minha cara?
– Provavelmente – ela fez uma careta divertida. – Desculpa, mas esse passeio de bicicleta doeu aqui dentro, aposto que a Alaina já até tinha pensado se estava com a depilação em dia, antes de saber qual era a sua ideia de fazer algo a sós.
– Você queria que eu fizesse o quê? Não é como se ela tivesse se declarado ou nada do tipo, pelo contrário, as palavras dela sempre me fazem pensar que realmente não tenho chances, mas as atitudes são totalmente apostas.
– Como o beijo? Como foi?
– Como o beijo, . Ela se ofereceu pra me levar ao aeroporto, fomos conversando no caminho normal. Quando eu já estava descendo do carro, ela me chamou e aconteceu.
– E você fez essa cara de idiota na frente dela também, ou só agora comigo?
– Ah, não dá pra conversar com você!
– Eu tô brincando, Bale. É que é tão lindo, você e a Emma já estavam tão naquela fase rotina do relacionamento, que nunca te vi assim, com os olhinhos brilhando e sorrindo sozinho, eu gosto dessa sua versão.
– Eu nem sei como cheguei no avião pra ser sincero, quer dizer, no passeio que fizemos, ela comentou de novo como é preocupada com a carreira e a aceitação dela, mas eu disse para que ela vivesse o hoje, e acho que foi isso que ela fez, não sei. Uma vez ela disse que eu não era como os outros jogadores e não quer me magoar, e eu sei que ela prefere algo sem compromisso a um relacionamento.
– Ou seja, ela basicamente não sabe se quer tomar suco de laranja ou andar de bicicleta? – riu ao ver o ponto de interrogação na cara do amigo. – Eu não a conheço, mas pra mim está um pouco óbvio algumas coisas, ela chegou no Real pra trabalhar, apesar da Eva ter criado o precedente no Chelsea, ser assistente técnica é outra história, né? Provavelmente ela pensou que respiraria trabalho e quando estivesse a fim, procuraria mais um de seus casos sem compromisso. Daí chega o destino e fala “nem pensar Alaina, toma aqui esse homão da porra, 1,83 metros de puro músculo, um olhar tão sexy, que você não vai saber o que te atingiu quando ele te encarar, e pra ajudar um dos melhores jogadores do mundo, que, por sinal, não é um mulherengo, pelo contrário, romântico e à procura de um relacionamento de verdade”. Consegue imaginar o nó que não está a cabeça dela?
– Eu te amo, sabia? – o jogador abriu um sorriso com a cara surpresa de .
– Por que isso agora? – seu rosto de lado a fazia parecer um cachorrinho que não entendia o que o dono quis dizer.
– Porque, por mais que a gente se veja no máximo duas ou três vezes ao ano e acabamos nos falando menos do que eu gostaria, parece que quando nos vemos não passou um dia da última vez que te vi, e por ser assim, amiga pra todas as horas. E, por mais que faça de sua meta de vida me deixar desconfortável, sempre sabe o que falar na hora certa, só queria poder fazer por você metade do que você fez por mim.
– Você sabe que vivo pros estudos, Gareth, e não acho que tem muita coisa sobre função neuromuscular ou pesquisa quantitativa que eu possa pedir sua opinião, mas, apesar das circunstâncias e de estar triste por você, por dentro eu estou explodindo em felicidade de poder te tratar, e ainda ficar esse tempo em Madrid antes do Natal. Se não fosse isso, eu não veria os Modrićs tão cedo, e o amor aqui é mais do que recíproco.
– Acho que você e a Lena vão se dar bem.
– Eu não vejo a hora de conhecê-la – finalizou dando um beijo na testa de Bale.

Gland, Suíça

terminava de arrumar suas malas no pequeno apartamento que chamou de seu nos últimos doze meses. Nunca se imaginara vivendo em um local tão silencioso e cheio de paz como o Lago de Genebra, e não saberia nem como agradecer a oportunidade única que teve quando aceitou o convite de Sabine Kehm, empresária de Michael, para fazer parte da equipe de fisioterapeutas que cuidavam do ex-automobilista 24 horas por dia.
Fora seu curso em Medicina Tradicional Chinesa que havia chamado a atenção da equipe médica e da família Schumacher, que buscava sempre dar mais conforto à pessoa que viveu a vida inteira se dedicando à velocidade e que agora passava todos os segundos de sua vida confinado a uma cama.
Ao longo do ano cultivou diversas amizades, incluindo Mick, filho de Corinne e Michael, a quem contou sobre seu projeto de Doutorado e, quando o piloto estava em casa com os pais, trabalhavam juntos numa forma de melhorar seu desempenho na ADAC Formula 4.
Já tinha se acostumado ao local e, se não fosse Gareth se machucar, provavelmente teria estendido seu contrato pelos próximos seis meses, apenas para que, com calma, pudesse traçar seus próximos passos. Aos 29 anos, não sabia o que era uma vida sem estudar e, por mais que tivesse planejado tudo isso há muito tempo, se via em dúvida do que fazer dali em diante. Sabia que teria emprego com diversos esportistas, mas ainda não tinha encontrado seu lugar, um lugar ao qual realmente pertencesse.
Talvez um pouco de desorganização e três de seus melhores amigos pelos próximos dias não fosse assim tão ruim.

Madrid, Espanha


– Pronta para a Espanha? – Bale perguntou assim que o avião pousou em Madrid.
Ay caramba! disse divertida, dando o último gole no copo de sangria que tinham lhe oferecido, fazendo todos rirem. – Tudo bem, podem rir, sei que ainda preciso aprender o espanhol, mas é difícil pra caramba.
– Você ainda tem o português pra te ajudar, já me viu falando?
– Realmente, tenho dó de você, mas o bom é que não sou famosa e até que dou pro gasto, então quando saio pra dançar sempre encontro um espanhol que acha meu "portunhol" sexy.
– A é quase uma dançarina do Strictly Come Dancing, mãe – Gareth chamou a atenção de Debbie. – Acho que você ia adorar vê-la dançar.
– Jura, ? Não sabia isso sobre você, eu amo aquele programa, assisto todos os anos.
– Foi quase uma recomendação médica, me disseram que eu tinha que encontrar uma forma de relaxar, mas eu não consigo sentar na praia e olhar pro nada, por exemplo, aí, quando vim pra cá a primeira vez, Vanja me levou em uma aula e me apaixonei, sempre que estou aqui vou tanto nessa escola, como no bar que eles sempre vão dançar. Depois de quatro anos, realmente tive que aprender uma coisa ou outra, e, modéstia à parte, mando muito bem – os encarou convencida, arrancando mais uma vez risadas de todos.
Conforme iam passando pelas casas dentro do condomínio, Bale apontava para quem do seu time morava ali, já que agora frequentaria o clube e provavelmente conheceria a todos em breve. Viu as casas de Sergio Ramos, Karim Benzema, o próprio Zidane e Lena, e ainda descobriu que jogadores de outros times também tinham casa por ali.
– E ali, depois da vizinha, mora o com o filho – Frank, pai de Gareth, comentou. – O maior ganhador de Bola de Ouro do Real Madrid.
– Ah, essa premiação eu conheço, sei que o Messi é o que mais ganhou esse prêmio no geral. Não vejo a hora do Balezinho ganhar o dele.
– Será que dá pra parar com essa mania de me chamar de "Balezinho" na frente das pessoas? – fez uma cara sofrida pro amigo, que a encarava com outra de volta. – Eu sou muito maior que você.
– É um apelido carinhoso, tá? Nunca mais te chamo também, pode implorar que eu me recuso, girafa.
– Dramática.
– Adoro essa amizade de vocês – Frank os interrompeu sorrindo.
– Ah, isso é o que vamos ver, nunca passei tanto tempo assim com o Balezinho – mostrou a língua ao jogador. – Mesmo porque ele não conhece ainda meu lado fisioterapeuta carrasca, essas próximas duas semanas é que vão ditar se essa amizade nasceu pra ficar.
– Espero que não – Gareth respondeu tentando se manter sério, encarando a amiga de rabo de olho.
– GARETH FRANK BALE! Eu ia te dar uma folga amanhã por ser domingo, mas acabo de mudar todo meu planejamento e esteja preparado para acordar cedo e trabalhar esse pé feio que você tem – cruzou os braços parecendo uma criança birrenta.
– Eu só tava brincando, – o jogador acabou falando com o nada, pois já tinha saído do carro para pegar suas malas.
– Até parece que não conhece as mulheres, filho – Frank lhe deu uma piscada do banco da frente e saiu do carro para ajudá-lo.
Embora ameaçado, o jogador acordou com um café da manhã digno de hotel cinco estrelas na cama. sempre fora cuidadosa com a alimentação dela e o galês sabia que com a dele não seria diferente.
Passou o domingo xingando diversas gerações da Família Loew, claro que ambos sabiam que ela estava sendo dura com ele, não por conta da brincadeira da noite anterior, mas porque era necessário.
observava as feições de Gareth e morria de dó do jogador, sabia que não era fácil, mas ser jogador do Real Madrid significava muita dedicação, e, se quisesse se manter como titular, ainda teria que suar muito a camisa fora de campo.
Continua...

Nota da autora: (28/04/2017) Oi meninas,
Essa é minha primeira longfic e espero que tenham gostado do primeiro capítulo.
Sei que nosso pp ainda não fez nem uma aparição, mas prometo que logo ela vai vir.
Se você terminou de ler e pensou ei, perai, esses personagens não são de Bola de Ouro?
Não você não está maluca, eu sou uma das missionárias da Igreja de Gareth Bale e uma de suas maiores groupies.
Sou tão apaixonada por BDO, que criei todo um universo paralelo a ela para chamar de meu e D. Babi Bale ( dona da porra toda) me incentivou a escrevê-la e estamos aí :)
Se você não leu, não sabe o que está perdendo.

Nota da beta: Se tô me sentindo honrada pela minhas história ter inspirado outra que promete arrasar? Acho que nem preciso dizer que sim, né? Esse é o poder da palavra do Balezinho! hahahaha. Já tô adorando e venerando a Lalie e só esperando pelo primeiro encontro com o CR7. Vamos ver se ele vai aguentar esse mulherão. 😌 Inclusive, adorando essa amizade com o Bale que veio muito a calhar. Nada como ter alguém pra jogar as verdades na cara... hahahaha
Tô aqui pra incentivar mesmo, Carol! E olha que mal comecei! 😜
Vem, cap 2! ❤


Se encontrar algum erro, me avise pelo e-mail.